<$BlogRSDURL$>

Do mal o menos

segunda-feira, fevereiro 28, 2005

Esclareçam-me os entendidos. 



Encontram-se ocasionalmente num bar, com quem sempre tiveram um q. E naquela noite volta a surgir a empática reciprocidade.
Conversam sobre a vida pessoal, não falando porem ao pormenor da vida privada.
Com uma desculpa qualquer finalmente trocam telefones.
Despedem-se com a promessa de se verem por um interesse que têm em comum.(Tipo, embora não se comprometam directamente há interesse, não?)

Quando chegam a casa recebem uma sms a verificar se tinham chegado bem. (Tipo vou-te ligar e o interesse em comum só foi um desculpa para ter o teu contacto, não?) A qual respondem prontamente com agradecimento.

E nunca mais houve uma ligação.

Tempos depois enviam um sms com uma brincadeira acerca desse interesse comum. (Tipo, então não me ligas?) Há uma troca de sms onde se verifica uma predesposião e gosto em estarem juntos - sempre por causa desse interesse - embora não haja nenhum avanço directo para concretiza-lo. (Tipo, um telefonema a combinar quando, onde...!)

Que tipo de interesse é este?

...and he is so cute!

(19) comments

And the oscar went to... 

MELHOR FILME
MILLION DOLLAR BABY
Clint Eastwood, Albert S. Ruddy and Tom Rosenberg

MELHOR REALIZADOR
Clint Eastwood
MILLION DOLLAR BABY

MELHOR ACTOR
Jamie Foxx
RAY

MELHOR ACTRIZ
Hilary Swank
MILLION DOLLAR BABY

MELHOR ACTOR SECUNDARIO
Morgan Freeman
MILLION DOLLAR BABY

MELHOR ACTRIZ SECUNDARIA
Cate Blanchett
THE AVIATOR

Vi aqui

Para o ano será no dia 6 de Março.

(7) comments

domingo, fevereiro 27, 2005

Clive Owen, Clive Owen, Clive Owen... 


(5) comments

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

Sexo, sexo e mais sexo 



O inefável César da Neves fornece-nos, via Independente, um copioso manual de civilidade para seguir o bem e subir ao céu em perfeição, apresentando um rol de moléstias que a náusea erótica da civilização constrói. Eis a alma do conhecido economista liberal explicada aos gentios.

[A masturbação não é uma prática razoável?] Claro que não. Nunca foi. O sexo é uma força extraordinariamente poderosa que define a nossa vida. Por isso mesmo é que todas as sociedades, ao longo de todos os tempos, tentaram arranjar costumes, hábitos e regras para controlar esta coisa, que, quando não controlada, nos domina completamente (...)

[Porque é que a masturbação não é razoável?] Porque é um desvio da acção sexual. A pessoa fica cada vez mais agarrada ao prazer, deixa-se controlar pelo prazer. Isso distorce a personalidade.

[A masturbação vicia? É isso que está a dizer?] Estou a dizer que o sexo tem um poder enorme sobre a nossa vida e que, por isso, devemos ter uma atitude equilibrada. Até hoje só houve uma revolução sexual na História e foi a Igreja que a fez. Antes da Igreja era o deboche absoluto, com regras muito sortidas (...) A nossa obsessão pelo prazer carnal está a destruir a sociedade e a criar a decadência, como criou noutras sociedades (...) A nossa sociedade não é mais feliz, porque se entregou completamente ao prazer carnal.

[Também condena o uso do preservativo?] Esse também é um exemplo engraçado. Tem-se criticado o Papa por gerar sida por causa do preservativo. Mas a questão do preservativo não se coloca numa relação estável entre marido e mulher. O que a igreja diz é que a relação sexual, para ser completa, deve ser aberta à vida. O preservativo é uma forma mecânica de tratar a questão. Para quem leva uma vida debochada e ignora as regras da Igreja, o preservativo é um detalhe.

[Qual é o problema de procurar o acto sexual só pelo prazer?] O acto sexual não é só uma questão de prazer. Limitá--lo ao prazer é transformar uma coisa humana numa coisa mecânica, animal (...)

Li aqui

Na sequencia aqui vai o seguinte teste, tirado já não sei donde;

1. estabelece metas e determina quantas vezes por semana deve ter relações sexuais?
2. faz sexo com uma pessoa, mesmo sabendo que não serve para si?
3. acha que precisa de esconder as suas relações sexuais ou amorosas dos amigos e familiares?
4. já faz sexo com alguém única e exclusivamente com esse propósito?
5. sente-se desesperado(a) ou ansioso(a) quando está longe do companheiro(a) sexual?
6. perdeu a conta aos seus parceiros sexuais?
7. acha que a vida não teria sentido sem sexo?
8. surpreende-se a flirtar com alguém, mesmo que não tenha interesse por essa pessoa?
9. o seu comportamento sexual afecta a sua reputação?

(Dependentes de Amor e Sexo Anónimos)

Poderão responder que sim à 7, à 8, no maximo à 1. Apartir daí...pray the lord!

(13) comments

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

O Encalhanço 



Quando duas pessoas se conhecem e se atraem na idade adulta é sinal normalmente de problemas.
Já cada um tem as suas experiências, os seus medos; modos de pensar e estar próprios, que podem não coincidir.
E inicia-se uma batalha emocional interior e/ ou exterior também.

Primeiro encontro;
- empatia;
- o que dizer?
- qual a desculpa para o segundo?

Segundo encontro;
- se combinado previamente óptimo;
- se não inicia-se a ansiedade. Quando telefonar? Ainda não me ligou… será que ainda está a fim? E do que é que estará a fim?

Isto porque as pessoas não se conhecem, e por isso, não sabem o que querem e se querem com aquela pessoa. Ponderando bastante a atitude do outro. Se juntarmos o medo de se exporem e a insegurança, temos a sopa completa. E as acções ficam imediatamente dependentes das acções do outro.
Tornam-se reactivas;
- fez-me isto, então faço aquilo;
- se não fez também não faço;
- etc, etc, etc.

E antes de haver relação já há inimizades. I.e. encontros que antes de terem progredido para possíveis relações já os intervenientes são inimigos uns dos outros. E ficam-se pelo começo.

Qual será a solução, então?

Embora o outro não reaja exactamente como queiramos, tentar não ripostar.
Dominar a ansiedade.
Deixar fluir.
Agir em vez de reagir.
Dar antes de receber.
Encarar o fracasso naturalmente.
Se encararmos o fracasso tal como o sucesso deixamos de ter medo e não condicionamos as nossas atitudes.


A eterna repetição dos começos com pessoas diferentes tem o dignissimo nome de ENCALHANÇO.

(23) comments

domingo, fevereiro 20, 2005

Mulher de Leão 



A mulher de leão
Brilha na escuridão.
A mulher de leão, mesmo sem fome
Pega, mata e come.
A mulher de leão não tem perdão.
As mulheres de leão
Leoas são.
Poeta, operário, capitão
Cuidado com a mulher de leão!
São ciumentas e antagônicas
Solares e dominicais
Ígneas, áureas e sardônicas
E muito, muito liberais.

Vinícius de Moraes

(12) comments

sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Alkimia 

Um espaço alternativo, onde até se pode “tomar café”, aberto desde o pequeno alomoço até depois do jantar.

A 5 minutos da Praia de Carcavelos, também serve refeições para fora.

Muito boa onda!


(11) comments

quarta-feira, fevereiro 16, 2005

Macho 



Macho é
Aquele que sabe
Aquele que não é humilde
Aquele que nunca falha
Aquele que não demonstra
Aquele que desconsidera
Aquele que domina
Aquele que manda
Aquele que não tolera
Aquele que castiga
Aquele que não perdoa
Aquele que rejeita
Aquele que controla
Aquele que não chora
Aquele que é sempre forte

O duro

O melhor

Macho é aquele que nunca se permite sentir

(16) comments

terça-feira, fevereiro 15, 2005

Filtro solar 



Usem filtro solar. Se eu pudesse dar-vos apenas um conselho para o vosso futuro, seria este: usem filtro solar. Os benefícios a longo prazo do uso de filtro solar estão cientificamente provados. Os restantes conselhos que aqui darei baseiam-se exclusivamente na minha experiência pessoal. E aqui vão eles:
Desfrutem do poder e da beleza da vossa juventude. Ou melhor, esqueçam, porque só vão compreender o poder e a beleza da vossa juventude, quando estes já tiverem desaparecido. Mas acreditem numa coisa: daqui a vinte anos, vocês vão olhar para as vossas velhas fotografias e compreender, de uma maneira que não compreendem agora, quantas oportunidades tiveram, e o quão verdadeiramente maravilhosos vocês eram.
Atenção: vocês não são hoje tão gordos como imaginam ser.
Não se preocupem com o vosso futuro. Ou, se quiserem, preocupem-se sabendo de antemão que essa preocupação é tão eficaz como tentar resolver uma equação de álgebra enquanto se mastiga pastilha elástica. É quase certo que os problemas que realmente terão importância na vossa vida, serão aqueles que nunca vos passaram pela cabeça, do estilo daqueles problemas que vocês se lembram às 4 da tarde de uma qualquer terça-feira ociosa.
Façam, todos os dias, pelo menos uma coisa que vos assuste. Cantem. Não tratem os sentimentos alheios de uma forma irresponsável. Não tolerem quem trate os vossos sentimentos de forma irresponsável. Relaxem. Não percam tempo com a inveja. Algumas vezes vocês ganham, outras vezes vocês perdem. A corrida é longa, e no final só podem contar com vós próprios.
Lembrem-se bem dos elogios que recebem. Esqueçam os insultos (se conseguirem isto, expliquem-me como se faz).
Guardem as vossas velhas cartas de amor. Atirem fora os vossos velhos extractos bancários. Façam alongamentos. Não se sintam culpados se não souberem muito bem o que pretendem da vida. A maior parte das pessoas interessantes que conheço não tinham, aos 22 anos, nenhuma ideia do que fariam na vida. E algumas das pessoas interessantes de 40 anos que conheço, ainda não sabem.
Comam imensas coisas com cálcio. Sejam gentis com os vossos joelhos: vocês vão sentir falta quando eles deixarem de funcionar.
Talvez vocês se casem, talvez não; talvez tenham filhos, talvez não; talvez se divorciem aos 40, talvez dancem a conga quando fizerem 75 anos de casados. O que quer que façam, não se orgulhem nem se auto-critiquem demasiado. Todas as vossas escolhas têm 50% de hipóteses de dar certo, assim como as escolhas de toda a gente.
Curtam o vosso corpo da melhor maneira que puderem; não tenham medo dele, ou do que as outras pessoas pensem dele – o vosso corpo é o vosso maior instrumento. Dancem, mesmo que o único lugar que tenham para dançar seja a vossa sala de jantar.
Leiam todas as instruções, mesmo que não as sigam. Não leiam revistas de beleza: só vos fazem sentir feios.
Aprendam a conhecer os vossos pais – vocês não fazem ideia as saudades que vão ter quando eles já não estiverem cá. Sejam simpáticos com os vossos irmãos, eles são o vosso maior vínculo com o passado, e aqueles que, no futuro, provavelmente não vos vão deixar pendurados.
Entendam que as amizades chegam e partem, mas que há um punhado precioso delas, que vocês têm que guardar com carinho. Viajem. Aceitem certas verdades universais: os preços vão sempre subir; os políticos serão sempre desonestos; vocês também vão envelhecer. E quando vocês envelhecerem vão fantasiar que, quando eram jovens, os preços eram acessíveis; os políticos eram nobres de espírito; e as crianças respeitavam os mais velhos. Respeitem os mais velhos.
Não esperem apoio de ninguém. Talvez vocês venham a ter uma reforma choruda. Talvez casem com alguém rico. Mas nunca saberão quando um ou outro podem desaparecer.
Não estraguem muito o vosso cabelo, porque senão quando tiverem 40 vão parecer ter 85. Tenham cuidado com as pessoas que vos dão conselhos, mas sejam pacientes com elas. Conselhos são uma forma de nostalgia. Dar conselhos é uma forma de resgatar o passado que está numa lata de lixo, limpá-lo e esconder as partes feias, reciclando-o por um preço maior do que realmente ele vale.
Mas acreditem em mim quando vos falo do filtro solar.

Mary Schimich, publicado no Chicago Tribune, 1997

Li aqui

(11) comments

segunda-feira, fevereiro 14, 2005

14 de fevereiro 

no comments

(6) comments

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

Os males que nos acontecem 



Em todos os males que nos acontecem, olhamos mais para a intenção do que para o efeito. Uma telha que cai de um telhado pode ferir-nos mais, mas não nos desola tanto como uma pedra atirada de propósito por uma mão maldosa. O golpe, por vezes, falha mas a intenção nunca erra o alvo.

Jean-Jacques Rousseau

Cabe-nos a nós identificar a intenção, e não deixar que o golpe nos atinga o coração. Embora tenha ferido a nossa pessoa.

As coisas só têm a importancia que lhes damos. As atitudes ficam com quem as pratica.
São duas maximas que muito me têm servido para bem viver.

Haja luz!!!

(17) comments

terça-feira, fevereiro 08, 2005

O uso do preservativo 



Para além da problemática fisiológica inerente ao uso do preservativo este abarca igualmente alguma problemática psicológica, a saber;

Quando usamos o preservativo significa que ainda não confiamos no outro o suficiente para o deixar de usar. Ou, porque ainda não definimos que tipo de relação é aquela para o deixar de usar, o que cria obviamente desavenças do género;
- não achas que já é altura de deixarmos de usar?
- não confias em mim?
Se o outro achar que não quer dar à relação aquela evolução já terá ali um problema de justificação.

Se- ao surgir uma oportunidade inesperada- o homem não tiver preservativos, a mulher pensará que este há muito que não … o que o desvaloriza. Se ao invés a mulher os possuir quer dizer que é uma maluca, o que para além de inibir o homem, arrisca-a a nunca mais o ver à frente.

A maneira como é usado também pode ser inibidora; se o homem o puser com grande mestria significa que está “ batido” em encontros casuais o que pode criar um bloqueio psicológico à mulher. Se ao contrario a mulher se prontificar a minimizar aquela quebra ajudando o homem, quererá dizer que ela já é muito “batida” o que para o homem será sinonimo de um maior exigência, i.e., maior desempenho, i.e., surgirá o pânico da comparação.

Finalmente quando se decide deixar de usar o preservativo surge o problema de ambos terem de fazer o teste HIV, caso contrario não teria sido necessário usar o preservativo até ali. Nesta fase o casal esquece-se dos parceiros que ambos tiveram até aquela data, para o deixar de usar apenas porque a partir dali passam a confiar um num outro, e não fazem o teste.
E em prol do ideal romantico, surge a asneira.

(25) comments

domingo, fevereiro 06, 2005

4 coisas que nunca se recuperam 



- a ocasião, depois de perdida;

- a palavra, depois de proferida;

- a pedra, depois de atirada;

- e o tempo, depois de passado.

Buda

Li aqui

(9) comments

quarta-feira, fevereiro 02, 2005

Intuição ou imaginação? 



Intuição é aquele 6º sentido que desenvolvemos que nos permite ver para além do visível; ler nas entrelinhas; olhar o pormenor.
Com o tempo e experiência aprendemos a reconhecer situações sem ser preciso passar por elas.
Como que ouvimos uma voz vinda não sei de onde que nos alerta e adverte para o verdadeiro sentido das coisas.
Desenvolvemos uma hiper sensibilidade para descobrir o porquê de tudo o que se passa. A génese.
Só há um senão. Algumas vezes, dependendo da nossa vontade, confundimos a intuição com a imaginação, i.e., confundimos aquilo que não vemos com o que gostaríamos que acontecesse. E isto não é intuição mas sim vontade. A nossa vontade sobrepõe-se assim, ao discernimento que a intuição nos proporciona.
Temos assim, que ter cuidado para não confundir a interpretação que damos às coisas com a vontade que temos que elas aconteçam.
Daqui surge a duvida e a insegurança. Que nos retira as certezas e nos impede de agir.


(20) comments

[Top]