<$BlogRSDURL$>

Do mal o menos

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

Sexo, sexo e mais sexo 



O inefável César da Neves fornece-nos, via Independente, um copioso manual de civilidade para seguir o bem e subir ao céu em perfeição, apresentando um rol de moléstias que a náusea erótica da civilização constrói. Eis a alma do conhecido economista liberal explicada aos gentios.

[A masturbação não é uma prática razoável?] Claro que não. Nunca foi. O sexo é uma força extraordinariamente poderosa que define a nossa vida. Por isso mesmo é que todas as sociedades, ao longo de todos os tempos, tentaram arranjar costumes, hábitos e regras para controlar esta coisa, que, quando não controlada, nos domina completamente (...)

[Porque é que a masturbação não é razoável?] Porque é um desvio da acção sexual. A pessoa fica cada vez mais agarrada ao prazer, deixa-se controlar pelo prazer. Isso distorce a personalidade.

[A masturbação vicia? É isso que está a dizer?] Estou a dizer que o sexo tem um poder enorme sobre a nossa vida e que, por isso, devemos ter uma atitude equilibrada. Até hoje só houve uma revolução sexual na História e foi a Igreja que a fez. Antes da Igreja era o deboche absoluto, com regras muito sortidas (...) A nossa obsessão pelo prazer carnal está a destruir a sociedade e a criar a decadência, como criou noutras sociedades (...) A nossa sociedade não é mais feliz, porque se entregou completamente ao prazer carnal.

[Também condena o uso do preservativo?] Esse também é um exemplo engraçado. Tem-se criticado o Papa por gerar sida por causa do preservativo. Mas a questão do preservativo não se coloca numa relação estável entre marido e mulher. O que a igreja diz é que a relação sexual, para ser completa, deve ser aberta à vida. O preservativo é uma forma mecânica de tratar a questão. Para quem leva uma vida debochada e ignora as regras da Igreja, o preservativo é um detalhe.

[Qual é o problema de procurar o acto sexual só pelo prazer?] O acto sexual não é só uma questão de prazer. Limitá--lo ao prazer é transformar uma coisa humana numa coisa mecânica, animal (...)

Li aqui

Na sequencia aqui vai o seguinte teste, tirado já não sei donde;

1. estabelece metas e determina quantas vezes por semana deve ter relações sexuais?
2. faz sexo com uma pessoa, mesmo sabendo que não serve para si?
3. acha que precisa de esconder as suas relações sexuais ou amorosas dos amigos e familiares?
4. já faz sexo com alguém única e exclusivamente com esse propósito?
5. sente-se desesperado(a) ou ansioso(a) quando está longe do companheiro(a) sexual?
6. perdeu a conta aos seus parceiros sexuais?
7. acha que a vida não teria sentido sem sexo?
8. surpreende-se a flirtar com alguém, mesmo que não tenha interesse por essa pessoa?
9. o seu comportamento sexual afecta a sua reputação?

(Dependentes de Amor e Sexo Anónimos)

Poderão responder que sim à 7, à 8, no maximo à 1. Apartir daí...pray the lord!

Comments:
Este senhor é mto católico... não concordo mas respeito. Quanto às perguntas, se dizerem muitos sins, estou contigo: pray the lord ;)
*A
 
Ora bem, Doce TrintaPermanente, um post destes merece reflexão divina.
A primeira parte, referente ao Sr. Economista, não passa duma forma de encarar a vida. E nesse aspecto, cada um adopta o seu próprio estilo e maneira de estar, desde que não a imponha aos outros. Cada um sabe de si. Pessoalmente poderia escrevinhar um contra-manual às “boas” práticas apresentadas pelo dito.

Quanto ao teste tirado não sei donde, o qual fiz, rabiscando “sins” e “nãos”, cheguei à conclusão que não há conclusão. Não porque falta a matriz dos resultados e a sua respectiva interpretação. Mas sim porque nestes assuntos não há questões tipo. Há sim, a forma como cada um interpreta e vive a sua sexualidade e o seu relacionamento com os demais.
Mil besos.
 
esse economista devia dedicar-se à economia porque de sexo ele não percebe mesmo nada. o que nos distingue dos animais é a racionalidade, mas não deixamos de ter os nossos instintos por causa disso. uns chamam-lhe deboche, eu chamo-lhe o restabelecimento da ordem natural das coisas, libertando-nos dos condicionalismos sociais que nos impoêm. por isso, debochem, mas às escondidas...
 
Este abominável homem das neves tem umas piadas muita giras. Tem, tem.
Ainda está para nascer o homem que nunca se masturbou... A masturbação feminina, por outro lado, ainda consegue ser mais tabu que a masculina!
 
Cá para mim o gajo fumou umas ganzas antes de escrever isto...DAHHHH!
 
Já tinha lido a entrevista desse senhor através do blog do Vale de Almeida. Fico sempre triste quando leio/oiço pessoas que falam e pensam assim. Há demasida gente oprimida e a viver na sombra por causa destas posições extremistas e intolerantes.
 
Sexo maltratado, sexo aproveitado, sexo destrambelhado!... Pois, terá a natureza coisa mais sua e mais transparente do que o sexo? Todo o mundo opina, toda a sociedade põe e dispõe, toda a família controla. Será o sexo a coisa tão complexa e esquisita que o Criador inventou?
Se a vida é o nosso maior presente, o sexo é outro presente da Vida! Seja o sexo, SEMPRE, a expressão alegre de quem nós somos!
 
Estupefacta!
 
que o senhor seja feliz se der prática ao que conservadora(s)_mente(s) defende(m)
 
pray the lord!
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Achei graça foi ao teste tirado já não sei donde, desculpa mas não consigo parar de rir.
Que confuzzione. Parlas italiano?
 
Viva a masturbação!
 
Enviar um comentário

[Top]