<$BlogRSDURL$>

Do mal o menos

quarta-feira, junho 22, 2005

Amor de mãe 




O egoísmo maternal aliado [por vezes] à obsessão de super protecção é muito penalizante para os filhos. Daqui resultam problemas de auto afirmação graves, tais como: timidez, egocentrismo, frustrações varias, problemas de decisão, dificuldade em ultrapassar obstaculos e perceber o valor das coisas, amadurecimento tardio ou inexistente, e/ ou homossexualidade.


Atenção mães!
Nem todo o "amor de mãe" é bom.

Comments:
Oi…lol..encontrei um post teu antigo…também sou leonina.. tudo que escreveste sobre a mulher Leão é de certa forma verdadeiro..

bj
 
Sem dúvida.. algums dos companheiros mais "tótós" k tive ao longo da escola, eram aqueles que eram mais protegidos pelas mães.. e dp qdo apanhavam uma beca de liberdade pareciam umas criançinhas...
 
Just popped in to say hi!
Bjs
 
Nao penso q seja uma implicaçao tao direta... sim, é bom dar liberdade aos filhos, mas os factores traumatizantes nao advem apenas de um mau comportamento mas um conjunto de negligencias e falhas na educaçao...
 
Assim nascem os "complexos de Édipo"(?) que aqui e ali vamos conhecendo. Uma relação de amor/ódio com a progenitora, que se pauta por numa necessidade permanente de efectuar o corte do cordão umbilical, mas que acaba por nunca o conseguir concretizar. Aliás a mãe é sempre uma referência, ainda que não notada, na relação, criando um triângulo amoroso deveras interessante.
Hum... Acho que ando a ler muito o Murcon...
Beijinhos
 
não concordo muito, eu acho que todo o amor de mãe é bom, é necessário é haver um equilibrio entre diversos factores que educam, eu sou pai e amo a minha filha muito mais do que a mim próprio e digo-te que quando tenho de repreender repreendo, quando tenho de castigar castigo, tudo faz parte do educar e educar é amar, beijos para ti e muita martelada.
 
Estou perfeitamente de acordo contigo.
A super-protecção traz quase sempre malefícios.
Um beijinho.
Tu és uma simpatia de menina!
E muito bonita também.
 
Trinta, permite-me discordar dessa análise tão basista. Se por um lado começas bem, perdes-te em considerações que, no mínimo, são homofóbicas. Sorry mas não é assim que se pode analisar uma questão tão pertinente. Para educar só existe uma receita: equilíbrio e muito amor e carinho.
 
bom, retratas-te bem neste post. eu não teria dito melhor: "timidez, egocentrismo, frustrações varias, problemas de decisão, dificuldade em ultrapassar obstaculos e perceber o valor das coisas, amadurecimento tardio ou inexistente" são tudo características que em ti reconheço e que não abonam muito em teu favor.
pena que tenhas pecado no último aspecto, a homossexualidade. não sei se és ou não, mas achar que isso tem a ver com o egoísmo maternal é um insulto à tua própria inteligência, ou falta dela...
 
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
 
Tens toda a razão no (por vezes) que parece por terem lido muito rapidamente, generalizaram o particular.
A super protecção enfraquece o espírito do protegido, tornando-o pouco auto-suficiente, ou pelo menos dependente da acção protectora. A lei da Natureza exige que as mães e os pais também, abdiquem do seu egoísmo de posse, e proporcionem a aprendizagem da vida, que deverá ser feita pelos próprios filhos, pois quem não aprende com os seus próprios erros nunca terá a lição sabida. Gostei deste teu texto, pois retrata muitas situações existentes, que se não fosse o egoísmo maternal, nunca existiriam.
Um beijo do pai
 
Concordo plenamente com a tua visão, conhecemos bastante casos, onde, infelizmente, o amor de mãe, bem intencionado por ela, se torna pernicioso para o filho/a.
Beijinhos da mãe
 
Presumo que não sejas mãe.
Eu, sendo, já concluí há bastante tempo que é relativamente fácil teorizar sobre a educação dos filhos, mas muito difícil na prática ter verdades absolutas sobre o assunto. Normalmente quem as tem nunca teve que educar um filho. Quem acha que as tem vai, seguramente falhar nessa educação.

Maria Manuel (mmanuel.sousa@netcabo.pt)
 
um admirador veio-me visitar? ou será alguma frustrada?
para esse ultimo anónimo como não deu a cara, e diz conhecer-me tão bem, aqui fica o meu comentário;
[ se fores tu que me envias mails constantes a perguntar como estou, ainda n percebeste que n te respondo de propósito? se fores tu que embora te tenha conhecido no meu circulo privado, tenhas também outrora pertencido à blogosfera e a tenhas usado para me destabilizar, não vais a lado nenhum. se fores tu que estejas a usar mais um meio, mais uma vez para chegar até mim, agora que já não tens o meu telemóvel e não sei como descobriste o meu blog, esquece que eu existo! não reparaste que sempre que passo por ti nunca te vejo? se fores tu cujo impedimento já sabemos e não tenhas gostado da minha atitude, e que provavelmente me ligas e desligas de numero privado e tenhas chegado até aqui por entreposta pessoa, não sou tua inimiga. agi para me proteger. só vou até onde os outros vão, só dou o que recebo. se fores a namorada do outro, get a life!
Eheheheheheh
 
ah! se fores o Brad Pitt, tas desculpado. chuac!!!
 
menina trintapermanente, a sua resposta ao dito anonymous peca muito em elegância e oportunidade. optando pelo silêncio fica sempre salvaguardada. assim arrisca-se a ser mal interpretada e ficar com a reputação ainda mais beliscada. passo a explicar: já lhe passou pela cabeça que seja alguem farto de ser importunado por si, que a ignore constantemente tenha vindo devolver o troco?
desculpe mas quem fala como falou, só se pode considerar o centro do universo, ignora o que lhe passa à volta...
 
Eu é que sou o Brad Pitt
 
Começo por dizer-te que disseste tudo em poucas palavras.

E para não alongar mais, faço minhas as palavras do teu Pai.

Beijocas,
 
leonina??? isso quer dizer...sporting...? hihihih
 
O sentimento funciona sempre em nosso benefício, e está tudo dito,óptimo.
Beijinho do pai
 
equilíbrio e muito amor e carinho... muito mesmo, pois a vida encarrega-se sempre das estaladas e das traições.

Bom fim de semana, amiga.
 
Por um lado não deixas de ter alguma razão por outro o amor e dedicação de mãe são sempre bem vindos. Confesso que enquanto miudo me gostava de estar debaixo das saias da mãmã, mas também te posso dizer que não foi isso que me impediu de criar a minha própria personalidade, ao ponto de ser eu a influenciar a sua maneira de pensar. As palamdas que levei só me fizeram bem, os beijos ainda melhor, ambas as coisas deixam saudade...

Quando ao teu ultimo post, da-lhe que ainda mexe, ass:Brad
 
trintapermanente, só há chuac valente para o Brad Pitt ? Eu também quero ! Posso pintar o cabelo como ele...
 
ainda não tinha comentado...achei melhor calar-me, mas visto que e tal e tal e pois e pois...que há grandes cretinos, há!
não é o meu caso. eheheheheh!!
ouve...atrás de mim é que tu não andas, ou então, TINHAS VINDO AJUDAR NAS MUDANÇAS.
chuaccc!!!para o Brad...nem pensar...para o Depp, que sou eu, isto é o cúmulo, dos cúmulos do narcisismo.
desculpa as vírgulas e os acentos, já tinha desistido, mas para não nos confudirem, passei a fazer tudo direitinho.
até amanhã!
beijo do mano
 
nunca tinha pensado em tais questões!!! lol mas faz todo o sentido, faz sim srª!!! bjinhos, fica bem******
 
Verdade!
Grande verdade!
Nada como a justa medida!
 
Enviar um comentário

[Top]