<$BlogRSDURL$>

Do mal o menos

terça-feira, junho 07, 2005

Qual o momento, em que se sabe, que já não amamos alguém? 



muitas vezes saturamo-nos, embirramos, descobrimos defeitos e incompatibilidades mas quando é que chegamos à conclusão que já não é amor? todas as sensações negativas que mencionei e que não mencionei podem enganar e levam-nos a tomar decisões de modo a terminar com o desconforto que elas provocam e alcançar o alivio. normalmente "cortando o mal pela raiz". só mais tarde vem-nos a angústia da perda e a sensação que o amor afinal ainda morava no nosso coração. e depois, too late...

Inspirada aqui

Comments:
bela descrição sem duvida...que magoa inocentemente por ser tão verdadeira!!
 
Concordo plenamente com o post. De facto há muita imaturidade e por dá cá aquela palha decidem logo por termo á relação. Há falta de tolerância e de diálogo, e isso leva muitas vezes a que a pessoa a partir dai viva num inferno bem pior, tanto pela angustia, por novas incertezas bem como pela solidão,
Quando ao teu link, quando lá voltares estará de certeza...beijocas
 
pois é. as birras podem acabar mal. rsss. beijos
 
quando existe amor, este não acaba nunca, transforma-se...beijos
 
pois é linda...só mesmo quando já é tarde é que sabemos...f***** mas acho que é sempre assim!
 
acho que a resposta depende mais das nossas motivações para o amor...
 
Como disse no comentário que deixei lá no meu cantinho...Amamos alguém, enquanto ainda nos importarmos com ela.
Como se costuma dizer, o "casamento" mata o romance. Na minha opinião, o que acontece é que o amor se transforma no dia a dia. Inicialmente é aquela paixão louca, depois vem o amor, construído...e que se constrói todos os dias. E muitas pessoas, têm várias motivações. Há quem pense que já não ama, porque o coração já não palpita como antes, as mãos e o corpo já não suam, como antes...
Temos que ir regando a planta. Mas enquanto eu pensar, o quanto me importo com esse alguém, é porque ainda o amo...Se acontecer o contrário, é porque o sentimento morreu.
 
É dificil de saber, senão mesmo impossivel. Mas é importante não deixar que os pormenores que menos gostamos nos tapem todos os outros que tanto amamos. Nada, nem ninguem é perfeito. Um casal tb não o será... mas o Amor se existe, existe para sempre. A paixão sim, desaparece.
*A
 
Se era de facto amor, não acaba. talvez se modifique. Na falta dele por uma decisão imatura, que tal lutar por ele de novo?
Beijocas.
 
ó trintinha, sabes o amor que nunca esgota, o de pais para filhos. quanto ao restante hoje em dia há facilitismo a mais, e muda-se de "amor" por falta do mesmo, ou seja amor.

quem ama, luta sempre, e quem ama guarda sempre aquele cantinho bem dentro do coração, onde só nós próprios podemos chegar.
 
...eu penso que seja mais fácil saber quando já não se ama alguém do que saber que se ama alguém de verdade!
 
Temos a certeza quando sabemos que voltaríamos para tudo o que tínhamos, que construímos juntos... mas sem aquela pessoa no "quadro". É hediondo, cruel. Mas é real.
 
Alerta a todos

Passem esta mensagem a todos,
este nosso bloguista está a precisar de ajuda,
o seu estado de alma está devastado,
não sei mais o que dizer,
Não sei mais o que posso fazer…
sofialisboa
http://pedromalheiros.blogs.sapo.pt/
 
No preciso momento em que o saibas.
 
O Frederico do paopaboca tem razão, o amor quando existe não acaba nunca, tranforma-se...e deve-se partir para outra.
Um beijo do pai
 
É o meu grande medo...Avançar e descobrir depois o que de fato tinha...e aí....ser too late...Adorei seu blog...
Beijos
Slave
 
Mais vale uma má decisão do que não fazermos nada para alterar o que está mal.

Como se costuma dizer: incha, desinha e passa.
 
Essa sensação é-me de alguma forma familiar... too late! É o mal das pessoas impulsivas...
 
Hum...aqui nada de novo!Infelizmente pq gosto de te ler.
Beijocas.
 
não há momento...é assim...e ficas sempre sem a certeza..é um risco tudo é um risco.
 
Não nos podemos esquecer que a "solução" de espera, e paciência, muitas vezes destrói as pessoas lentamente, sempre na esperança que tudo melhore, ou até que nos esqueçamos e comecemos de novo. Para ser sincero, deve ser melhor cortar o mal pela raíz! Bjx
 
Acho que não há um "momento" certo.
Essa percepção de que já não gostamos é subjectiva.

Mas quando acontece o que escreveste (e não só) esse dia acaba por chegar. O dia em que já não se suporta mais.

Depois há uma de duas coisas a fazer: ou se tenta que volte a "resultar" ou a relação acaba.
Nenhuma das soluções é pacífica, seguramente.
 
Linda, e que tal tomarmos a decisão de acabarmos mas só para nós (sem dizer nada) e... Esperar... Sentir... Se nos sentirmos + leves, aliviados, e felizes... abandonemos. Se nos sentirmos tristes, com saudades, fiquemos e resolvamos o que ficou desleixado no casal.
Tal como no casamento, há que MERECER o divórcio. Tentemos todas as vias para reparar a coisa. O amor dá trabalho, LOVE IS A VERB! Não sejemos preguiçosos, desleixados e pouco persistentes.
 
É muito fácil saber quando não há amor: quando se começa a questionar...

O difícil é quando ainda há amor mas jã não consegues viver com a pessoa que amas.
 
A ausência de desconforto é o primeiro sintoma. Começas a sentir o amor de um modo mais abrangente e deixas de sentir-te presa, algo descomprometida.
Quando a sensação do peito apertado já não surge é sinal de que o sentido da perda "perdeu a força" e deixou de Te influenciar.
É a altura de sentires que "cresceste", e que "dominas" o mundo à tua volta! Então, o amor-condição, o amor-dependência, foi-se, e reconheces que podes amar de novo, de uma forma diferente!...
 
Quando a indiferença substitui o cuidado, quando os planos deixam de existir, quando se deixa de acreditar, quando é impossível perdoar e muito menos esquecer uma falha.

blogamante
http://amantes.blogs.sapo.pt
 
É quando não consegues respirar quando o outro está ao pé de ti. Quando te sentes humana longe dele. Quando o som dos seus passos te causam náuseas. Quando nem te lembras que ele existe, excepto quando te agride.
 
Quantos se querem convencer de que o amor acabou? Quantos encarnam o perssonagem, o vilão, o indiferente, o bruto, e choram a sós na cama à noite?
Quantos perferem aparecer altivamente com peito a sangrar..?
 
Enviar um comentário

[Top]